Harold Pinter

20 out

harold_pinterHarold Pinter foi um dos grandes dramaturgos do século XX. Recebeu o Nobel de Literatura em 2005. Faleceu em 2008.

A biografia de Harold Pinter no wikipedia (em português):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Harold_Pinter

A página oficial do autor (em inglês):

http://www.haroldpinter.org/

E uma de suas esquetes: O Candidato (em PDF)

Se vocês pesquisarem no Youtube encontrarão esta esquete encenada em várias línguas.

“(…) no teatro, a verdade sempre se esquiva. Nunca a encontramos por completo, mas é bom procurá-la. E essa busca é o que guia os nossos esforços. Essa é a nossa tarefa. Na maioria das vezes é no escuro que tropeçamos na verdade, esbarramos, ou vislumbramos uma imagem ou uma forma que parece corresponder à verdade, muitas vezes sem nos darmos conta disso. Mas a verdade verdadeira é que, na arte do teatro, não há nunca uma verdade única que possamos encontrar. Há muitas. Estas verdades desafiam-se mutuamente, fogem, refletem-se, ignoram-se, são insensíveis umas às outras. Às vezes pensamos que temos a verdade de um momento na mão, e depois ela nos escapa por entre os dedos e desaparece”.

Anúncios

Pina Bausch

15 out

Pina Bausch rompeu com as formas tradicionais da dança-teatro, utilizando uma linguagem corporal expressionista, e hoje é uma das grandes referências na dança contemporânea.

Sua biografia no wikipedia (em português):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Pina_Bausch

E um vídeo de 3 minutos no youtube:

Tadashi Suzuki

10 out

9781408116432O trabalho do diretor japonês Tadashi Suzuki é muito pertinente no teatro contemporâneo. Ele desenvolveu um método próprio de treinamento voltado para o desenvolvimento das potencialidades expressivas de um corpo extracotidiano.

Abaixo 3 links. Como não há uma página do Tadashi Suzuki no Wikipedia em português, está na língua inglesa; e também um artigo sobre ele (este em português).

Biografia no wikipedia (em inglês):

https://en.wikipedia.org/wiki/Tadashi_Suzuki

Artigo (em português):

http://www.portalabrace.org/vicongresso/processos/Patr%EDcia%20Lima%20Castilho%20-%20Tadashi%20Suzuki%20uma%20proposta%20para%20o%20teatro%20na%20p%F3s-modernidade.pdf

Vídeo no youtube:

Joseph Beuys

5 out

51dYPhKuj+LNa oficina “Teatro em movimento”, é citado Joseph Beuys. Este artista alemão concretizava  sua arte através de ações. Ele pretendia levar a arte em uma direção que restituísse ao homem a “capacidade criativa”. Para Beuys, a arte é o princípio de uma forma de atuação ou de atitude e pode provocar transformações. Esse conceito ampliado de arte, denominado por ele como escultura social, abrange um ato consciente de modificar o ambiente, a sala de aula e até mesmo o sistema político através da arte e da criatividade.

Abaixo o link do Wikipedia com a biografia de Joseph Beuys:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Joseph_Beuys

Um artigo: “JOSEPH BEUYS: uma investigação sobre modos de ação”

http://www.revistas.usp.br/aspas/article/view/75660/pdf_13

E um vídeo de uma de suas performances:

Viola Spolin

4 set

Pensou em jogos dramáticos? Então despertou referências a Viola Spolin, autora e diretora de teatro estadunidense que formatou os jogos teatrais, descritos na obra “Improvisação para o teatro”, com cerca de 220 exercícios e jogos.

Para Spolin, todos são capazes de improvisar.

Aqui o link do Wikipedia com a biografia de Viola Spolin:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Viola_Spolin

E neste abaixo há um de seus livros: “Jogos teatrais na sala de aula”

https://onedrive.live.com/view.aspx?resid=FC3DE2D5BEDF090C!198&cid=fc3de2d5bedf090c&app=Word

Na seção downloads do site: http://www.desvendandoteatro.com/, há alguns outros livros de teatro disponíveis.

20140806104838-jogos-teatrais

Contando um pouco das experimentações em ‘inten_Cidades’

23 ago

As experiências

Rosely Zenker, em cena Foto: Ary

Rosely Zenker, em cena
Foto: Ary

“inten_Cidades” é um espetáculo que faz parte do repertório do Grupo Luau Cultura. Além de apresentações em São Paulo, a peça também foi para Mato Grosso, em uma experiência espetacular.

São os atores do espetáculo: Aline D’Angelo, Joana Pegorari, Renata Jai, Ricardo Aires e Rosely Zenker.

A estreia ocorreu em outubro de 2014, no teatro Cia. Do Pássaro, na região central da capital paulista. Em seguida, partiu para o espaço multicultural Laboriosa 89, em dezembro do mesmo ano. E o grupo Luau Cultura fez parceria com Mada CooK, que preparou a ceia. Ceia? Isso mesmo! Após o espetáculo, foi servido um jantar ao público. Foi um agradável encontro com bate-papo descontraído, uma rica oportunidade de interação.

Neste ano, “inten_Cidades” fez as malas e partiu para a cidade de Cáceres, apresentando-se, em agosto, com apoio da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e do Centro de Pesquisa em Literatura (Ceplit), no Cine Xin. Sem o entusiasmo e a valiosa ajuda dos professores Agnaldo Rodrigues, Cido Assis e Leonice Rodrigues Pereira, esta realização não teria sido possível!

A única atriz do Grupo Luau Cultura neste palco foi Rosely Zenker, acompanhada de mais 13 convidados.

A proposta foi a seguinte: foi oferecida a oficina “Teatro em movimento”, pelo diretor do grupo, Márcio Baptista. Foram dois dias de atividades. Todos os presentes foram convidados a participar da apresentação. E o palco ficou mágico! Alunos de ensino médio e professor com pós-doutorado. Pai e filho. Colegas de classe. Pessoas que criaram um vínculo estabelecido pela Arte. “Na segunda-feira, nem ao menos nos conhecíamos… Na sexta, fizemos parte da mesma constelação de estrelas que iluminou o meu coração”, emociona-se Rosely.

As referências

Márcio Baptista durante oficina "Teatro em movimento"

Márcio Baptista
durante oficina
“Teatro em movimento”

“Teatro em movimento” é uma oficina que faz a preparação dos participantes para o espetáculo. “inten_Cidades” consiste em 12 cenas, divididas por jogos performáticos. Em Cáceres, 7 atores fizeram parte da leitura dramática e todos performaram.

Os conteúdos são inspirados principalmente em Viola Spolin e Joseph Beuys.

Entre os exercícios da oficina, tivemos um baseado no método de Tadashi Suzuki e outro no de Pina Bausch. Foi citado o dramaturgo inglês: Harold Pinter.

Nos posts a partir de hoje, iremos falar um pouco mais de cada uma dessas personalidades, incluindo links e vídeos. Não percam! E pesquisem:

Viola Spolin; Joseph Beuys; Tadashi Suzuki; Pina Bausch; Harold Pinter.

 

 

Goya e os desastres da guerra

15 set

Devorado pelo tempo

 

Francisco GoyaSaturn-Devouring-His-Sons foi um pintor espanhol que nasceu em 1746 e viveu até 1828.

Em 1792, ele contraiu uma doença e ficou surdo, parcialmente cego e temporariamente paralítico. No outro ano (1973) ele retornou a Madrid, parcialmente recuperado.

Por causa das guerras napoleônicas (1803 até 1815), Goya produziu sua famosa série de pinturas “Los Desastres de la Guerra” (entre 1810 e 1814). Pela primeira vez, a guerra foi descrita como fútil e sem glória, sem heróis, somente assassinos e mortos.

As guerras napoleônicas vieram e se foram, e os horrores sofridos pelos espanhóis deixaram um Goya amargo, transformando a sua arte em um ataque contra a conduta insana dos seres humanos, retratando a falta de sentido do sofrimento, tanto injusto como não merecido.

Durante a última parte de sua vida, Goya cobriu as paredes de sua Quinta del Sordo com as famosas “pinturas negras” (entre 1819 e 1823), as mais misteriosas de seu gênio atormentado, como “Saturno devorando a un hijo” que se encontra atualmente no Museu do Prado.

Há muitas interpretações possíveis de “Saturno devorando a um filho”:

os conflitos internos de Espanha, durante o reinado absolutista de Fernando VII;

o reflexo da degradação da sua saúde física e mental;

Saturno representa Cronos (deus do tempo) e como é impossível fugir do tempo, todos seriam mais cedo ou mais tarde devorados pelo tempo.

Saiba mais no site: http://www.franciscodegoya.net/

%d blogueiros gostam disto: